O Museu de História Natural de Viena

O Museu de História Natural de Viena abriga objetos mundialmente famosos como a Vênus de Willendorf, enormes esqueletos de dinossauros e uma imensa quantidade de minerais e pedras preciosas.

Museu de História Natural de Viena

O Museu de História Natural (Naturhistorisches Museum Wien) e o Museu de História da Arte ficam um em frente ao outro, tendo a Praça Maria Teresa ao centro. Quem está com pouco tempo e pretende conhecer o complexo de museus só externamente, faz tranquilamente todas as visitas dessa região num único dia. Que vai fazer a visita aos museus, eu recomendo que faça um em cada dia para não ficar muito cansativo.

A Praça Maria Teresa em Viena.
A Praça Maria Teresa em Viena.

O museu abriga em seu acervo a Vênus de Willendorf, que tem 29.500 anos de idade, enormes esqueletos de dinossauros, uma quantidade imensa de minerais e pedras preciosas, a famosa máquina de Copérnico, fósseis, meteoritos entre outros objetos raros.

Museu de História Natural de Viena
Museu de História Natural de Viena. Foto:Maria Eugênia

As primeiras coleções do Museu de História Natural remontam a mais de 250 anos. Foi o imperador Francisco I, marido da imperatriz Maria Teresa, que comprou do cientista florentino Jean de Baillou, em 1750, a maior e mais famosa coleção de objetos de história natural da época. Este foi o passo inicial para a criação do Museu de História Natural de Viena.

A escadaria de entrada do Museu de História Natural, Viena.
A escadaria de entrada do Museu de História Natural.

Após a morte prematura do Imperador Francisco I, Maria Teresa entregou a coleção de ciências naturais ao estado e abriu o acesso para o público em geral. Assim, foi ela quem criou o primeiro museu de acordo com os princípios e visões do Iluminismo.

Minerais e Pedras Preciosas

Começamos a visita ao Museu pela coleção de minerais e pedras preciosas. Logo na entrada, demos de cara com um enorme geode de ametista brasileira do Rio Grande do Sul. A pedra pesa 700 quilos.

Geode de Ametista brasileiro. Museu de Viena.
Geode de Ametista brasileiro. Museu de Viena.

Os geodes são formações rochosas que ocorrem em rochas vulcânicas e ocasionalmente em rochas sedimentares. São cavidades que se formam nas rochas, apresentando-se revestidas por formações cristalinas. O exterior dos geodes é geralmente constituído por calcário e o interior contém cristais de quartzo e/ou depósitos de calcedónia  (Wikipédia). Imaginem o valor de uma ametista desse tamanho.

Museu de História natural de Viena.
Uma das salas de exposição dos minerais.

Há minerais e pedras do mundo inteiro, mas eu gostava de encontrar as pedras brasileiras. Muitas pedras brasileiras da região de Minas Gerais, mas o destaque para mim foram as ametistas do Rio Grande do Sul.

Ametista brasileira da Serra do Mar. Museu de História Natural de Viena.
Ametista brasileira da Serra do Mar.

Museu de História Natural de Viena. Aragonite do Canadá.
Aragonite do Canadá. Fotos: Maria Eugênia.

Mupine Mine da República do Congo. Museu de História Natural de Viena.
Mupine Mine da República do Congo

 

Vênus de Willendorf

Vênus de Willendorf
Vênus de Willendorf

A Vênus de Willendorf é uma pequena estátua de 11 cm de altura, que tem 29.500 anos de idade. Foi encontrada em 1908, num sítio arqueológico do paleolítico situado perto da aldeia de Willendorf (Baixa Áustria).

Um ser humano excepcionalmente talentoso da Idade do Gelo criou um “objeto de arte” e que talvez não fosse essa a sua intenção na época.

As feministas a consideram a Primeira Mãe transformada em pedra em apoio à teoria matriarcal. Para o estudo da arte pré-histórica, é um dos exemplos mais importantes do trabalho artístico da Idade da Pedra Antiga.

A máquina Planetária Coperniciana

É um modelo armilar baseado na Teoria Heliocêntrica de Nicolau Copérnico

A máquina de Copérnico. Museu de História Natural de Viena
A máquina de Copérnico. Foto: Maria Eugênia.

O Museu de Viena e a teoria da evolução de Darwin

Quando foi inaugurado em 1889, o Museu de História Natural de Viena foi o primeiro museu da Europa comprometido com a Teoria da Evolução. Isto graças à determinação e visão de seu primeiro diretor, Ferdinand von Hochstetter (1820-1884), que foi um entusiasta defensor de Darwin desde o início.

Museu de História Natural de Viena
Museu de História Natural de Viena
Museu de Viena, Dinobird.
Museu de Viena, Dinobird. Foto: Maria Eugênia.

Ao incorporar o novo Departamento Antropológico-Etnográfico ao museu existente, Hochstetter criou o primeiro museu da natureza, onde os seres humanos também foram apresentados como objeto de pesquisa. Hochstetter também usou o design de interiores do museu para comunicar a teoria de Darwin aos visitantes.

A sala 10 do Museu exibe um modelo de um dinossauro emplumado (dinobir), prova de que as aves são realmente dinossauros vivos.

Na sala 26 está o peixe mais famoso de acordo com os biólogos evolucionistas. Até a redescoberta de Latimeria, acreditava-se que os celacantos teriam sido extintos no Cretáceo Superior, porém, em 1938,  foram redescobertos no litoral da África do Sul.

Celacanto
Celacanto. Créditos: Museu de História Natural de Viena.

Os dinossauros

Esse é um Paraphysornis brasiliensis  do início do Mioceno (23 milhões de anos).

Paraphysornis brasiliensis. Museu de História Natural de Viena.
Paraphysornis brasiliensis

Na Sala dos Dinossauros encontramos esse modelo em tamanho natural de uma ave do terror que viveu no Brasil.

As terror birds eram aves carnívoras que chegavam a até 3 metros de altura. O Paraphysornis pesava cerca de 180 kg e vivia na América do Sul.

Essas aves se espalharam não apenas pela América do Sul e do Norte, mas migraram também para a África e a Antártida. As últimas terror birds foram extintas há cerca de 17.000 anos, aqui na América do Sul.

Museu de História Natural de Viena
Museu de História Natural de Viena
Museu de História Natural de Viena
Museu de História Natural de Viena. Foto: Maria Eugênia.

Seguimos para a ala dos animais, onde há muitos pássaros e outros animais empalhados. Não curto muito ver animais empalhados. 🙁

Flamingos. Museu de História Natura de Viena.
Flamingos. Museu de História Natura de Viena.
Lhama no Museu de História Natural de Viena
Lhama no Museu de História Natural de Viena

No Museu, além de observar as coleções, observe o edifício, a beleza das salas e o detalhe da decoração. Ficamos três horas e meia dentro do Museu e não deu para ver tudo. No final eu estava cansada e ainda tínhamos outras atividades que eu queríamos fazer nesse dia, mas se dependesse de minha filha, ficaríamos mais umas duas horas lá dentro. 🙂

Museu de História Natural de Viena
Museu de História Natural de Viena

Localização, horário e como chegar

Transporte Público
Metrô linhas: U2 (linha lilás), U3 (linha laranja) – desce na estação Volkstheater
Tram: 1, 2, 46, 49, 71, D
Ônibus: 48A
A entrada é pela Praça Maria Teresa (Maria Theresien Platz)

Dias e horário de funcionamento
De quinta à segunda: das 9:00 às 18:30
Quarta: das 9:00 às 21:00
Terça-feira: fechado
Última entrada meia hora antes do horário de fechamento.
Não abre nos dias 25 de dezembro e 1º de janeiro.
Há algumas exceções de dias e horário, confirme no site oficial do Museu.

Museu de História Natural de Viena
Museu de História Natural de Viena

#dica: O Museu é muito grande,  reserve no mínimo 3 horas para visitá-lo.

Saindo do Museu de História Natural pegamos o metrô e fomos para a Catedral de São Estevão para visitar as Catacumbas. Dava para ir a pé, porém, depois de 3h30 dentro do museu eu não estava com vontade de andar 1.300 metros, ainda mais que nosso ticket de transporte público era aquele que podia usar todo tipo de transporte urbano por uma semana.

A Catedral de São Estevão ( (Stephansdom) em Viena, Áustria.
A Catedral de São Estevão ( (Stephansdom) em Viena.
Áustria, Polônia, Eslováquia e Hungria

-> Eurotrip: nossa viagem pela Áustria, Polônia, Eslováquia e Hungria.
-> Viajando de automóvel pelos países da Europa Central - todas as dicas

Tudo sobre Viena
-> Onde se hospedar em Viena
-> Visita ao Palácio de Schönbrunn em Viena
-> Nossa visita ao Museu de História Natural de Viena
-> O Palácio de Hofburg e a história de Sisi – a Imperatriz da Áustria

Resumo das dicas

  • O Museu é muito grande,  reserve no mínimo 3 horas para visitá-lo.
  • Não acredite no verão da Áustria, leve casaco e cachecol mesmo em agosto.
  • Seguro Viagem é obrigatório para ir para a Europa, não esqueça disso.
  • Para fazer viagem econômica, se puder, fuja do mês de julho.
  • Alugar apartamento pode ser  mais econômico que ficar em hotel, se você estiver viajando em mais de duas pessoas. Lembre que na Europa os hotéis cobram o café da manhã separado.

Para planejar sua viagem

Booking.com - Hotel, hostel ou apartamento? O booking.com é fácil de reservar e fácil de cancelar. Aproveite os descontos exclusivos em hotéis e reservas com cancelamento grátis. Observe as regras de cancelamento de cada hospedagem.

Airbnb - Se viajar mais como local do que como turista é o seu estilo, no Airbnb você encontra casas, apartamentos e até quartos na casa de alguém.

Flixbus - Transporte público para viajar entre cidades. A Flixbus é uma empresa de ônibus que atua em grande parte da Europa. São 1700 destinos em 28 países.

Aluguel de carro - Está pensando em alugar um carro? Faça cotação com a  Rentcars, pagamento em reais, sem IOF nas reservas internacionais, feitas no Brasil.

Seguro viagem, nunca viaje sem ele.

Seguros Promo
Na Promo, você escolhe a seguradora entre as mais famosas do mercado.

Mondial Seguro Viagem
Com a Mondial o seu seguro é Allianz. Faça seguro e viaje tranquilo.

 

Referências

Museu de História Natural de Viena

A pesquisa sobre o Museu de História Natural e o que visitar na cidade de Viena foi elaborada por minha filha Maria Vitória. Se você gostou, clique no curtir abaixo. 😉

Veja também

Escreva seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.