Subindo o Penyal D’Ifach na Costa Blanca – Paraíso em Calpe – Espanha

Como eu disse no post anterior, o passeio mais importante da cidade de Calpe é subir o Penyal D’Ifach (ou Peñon em castelhano). E vale muito a pena. É um passeio meio aventura meio zen, depende até onde você vai. Mas já vou aconselhando: A dica de usar calçado apropriado não é brincadeira, tive a infeliz ideia de ir no primeiro dia com um tênis de sola lisa, daqueles bem bonitinhos de pano e saí literalmente patinando na segunda parte do passeio! Se você subir até lá terá uma vista como a da foto. Curtiu? Então veja as minhas dicas para este passeio:

Vista panorâmica de Calpe

O trajeto inteiro dura 2h30, se feito na primavera/verão dá pra ver o por-do-sol lá no topo do monte, porque depois que o sol se põe você ainda vai ter uma hora de luz pra poder descer, (mas não tente isso no inverno!). Quando você chega na entrada do parque vai ver uma placa com indicações e algumas tem que ser levadas a sério:

  • Utilize calçado apropriado. Isso é realmente importante se for fazer o passeio inteiro. Depois da gruta o resto do trajeto é de uma pedra branca super lisa, e não tem muito espaço pra escorregar e se segurar, o caminho é estreito e dá direto num penhasco. Não brinque com isso, eu parei algumas vezes pensando se devia continuar já que tava com um tênis nada apropriado de oncinha (o meu segundo e único tênis pra fazer isso).
  • Leve uma garrafa d’água cheia. Levei uma de 750ml, tem onde encher no local mas só no começo. Se você toma bastante água, leve uma de 1L. 
  • Cuidado com as gaivotas na época de primavera, elas estão com filhotes e ficam extremamente agressivas. Verdade absoluta. Não pude ir até o topo porque aconteceu uma revolta das gaivotas quando estava quase chegando. E elas atacam pra valer, dão rasante na sua cabeça tentando bicar seu rosto e puxar seu cabelo. Se falham nisso, deixam de presente um belo rastro de bost* na sua cabeça. Pra minha sorte elas nem me consideraram uma ameaça, isso que eu tava do lado dos filhotes (que são meio feios mas umas gracinhas ao mesmo tempo), em compensação o casal na minha frente foi embora correndo e nem quis saber de tentar um caminho alternativo, a moça quase não conseguia se mexer de tanto rasante dos pássaros e saiu com o casaco branco de tanto cocô de gaivota. 
  • O caminho é bem tortuoso e complicado na segunda parte, ou seja, depois da gruta, só vá se tem certeza que está seguro. Não há fiscalização frequente, não há luz e não há câmeras, você está lá por conta própria.
  • Se puder, não vá sozinho. Eu fui e não foi muito fácil, tinha hora que eu precisava escorregar nas pedras pra chegar ao outro lado, depois esfolava a mão pra subir na volta. E eu nunca sabia quando ia tropeçar e cair. Tem bastante gente fazendo a trilha durante o dia todo, mas ainda assim dá uma sensação estranha estar lá sozinha. 
Gaivotas te julgando
Gaivotas te julgando

A primeira parte é bem tranquila, é um caminho já preparado para pessoas, com corrimão e projetos de escadas quando a rocha é mais íngreme. Vários mirantes e bancos ao redor e pelo que eu lembro tem uma fonte de água no meio do caminho. Mas na dúvida, vá de garrafa d’água cheia. O Parque é gratuito, há uma catraca mas só serve pra contabilizar visitante. E quase uma boa notícia, hay baños! Sim, mas eles funcionam à lá Espanha: só até as 14h/15h e depois não abrem mais. Mas no calor que faz naquela terra seca você mal vai ao banheiro, na dúvida, esvazie a bexiga antes de subir. Durante todo o passeio você ouve o barulho das gaivotas e é uma coisa muito linda, dá uma paz absurda: o som delas com o mar e aquela vista maravilhosa é indescritível. Tudo que eu pensava enquanto subia era “Meu Deus, que mar é esse? Que cor é essa?”. Parava a cada mirante pra tirar fotos novas, mesmo sabendo que teria 300 repetidas no fim do passeio.

Já é lindo e você ainda está na metade do caminho!
Já é lindo e você ainda está na metade do caminho!

Minha dica extra de passeio é: ache um banco meio afastado e, quando nao tiver muita gente, deite ou sente e observe a rocha. É incrível como ela é imponente quando você pára para observá-la de tão perto. Ah, e já se prepare para dizer “Hola” o tempo todo. O povo que vai pra Calpe é muito alto astral e aberto. Na sua maioria são franceses, holandeses e principalmente alemães, povo que não dá oi nem pra colega de classe, mas na Espanha ficam todos com um ar latino e viram muito sociáveis. Eles vão sorrir, dar oi, puxar papo e, em raras ocasiões, tirar selfies com você.

Sim, você vai ter que subir tudo aquilo ainda.
Sim, você vai ter que subir tudo aquilo ainda.

Enfim, depois desse primeiro trecho facinho você vai encontrar uma gruta. Ela tem a mesma rocha que o outro lado, então aproveite pra testar seu calçado, se ele deslizar ali, nem pense em seguir para a segunda parte. O meu deslizava às vezes mas eu não tenho amor à vida e fui ainda assim, mas você não deve fazer isso, ok? Você pode ir até o fim da gruta, ver o outro lado e voltar, ou seguir em frente por sua conta e risco. Essa gruta tem uma corda na parede que você vai segurando e consegue patinar até o outro lado facilmente. Mas no trecho externo só existem três parte com corda, o resto é na cara e na coragem (e no joelho, dedão do pé, mão, cotovelo e algumas caneladas no caminho).

É isso aqui que você vai encarar. Preparado?
É isso aqui que você vai encarar. Preparado?

Mas se você tem saude e calçado apropriado vá. É lindo e vale muito a pena todo o trajeto. Dá uma sensação muito boa quando chega lá em cima e ve o mar e a cidade tão longe. Se há outros aventureiros pela trilha você sempre acaba fazendo amizade, principalmente quando tem que passar por trechos difíceis ou é atacado pelas gaivotas. No meu caso fiz amizade até com gaivotas por lá, uma delas ou me achou muito incompetente ou tava me vigiando, mas me seguiu o caminho todo até o topo, onde tivemos uma DR básica porque ela não parava de gritar na minha cara como quem diz “Desce logo!”. O caminho é marcado normalmente com pinturas rudimentares em rosa/roxo pra indicar por onde ir, já que não há trilha mas sim um amontoado de pedras indistinguíveis. Se bater a dúvida por onde ir, espere alguém mais experiente passar e siga essa pessoa, eu fiz isso e deu certo. Fingi que estava tirando muitas fotos e deixei o casal fitness que tava atrás de mim passar. Pouco tempo depois eles foram as vítimas das bombas de bost* das gaivotas, brindei em silêncio minha incompetência. hehehehe

Essa vista você só tem indo até o outro lado da gruta.
Essa vista você só tem indo até o outro lado da gruta.
Como disse antes, não pude ir até o topo por causa da revolta das gaivotas, então mudei o caminho e fui ao mirante. Para saber pra onde ir, um belo momento você vai ver uma rocha à esquerda e vai jurar que é o fim. Não é, é o mirante, o fim é mais pra frente e bem mais cima. Mas se chegou ao mirante já pode se parabenizar, pouca gente vai ao topo, ir ao topo é modo extremo de dificuldade, você já foi bem longe se não é um dos doidos que fazem parkour ou alpinismo por ali (sim, você verá vários deles e babará em suas habilidades incríveis. São os ninjas das montanhas). O mirante realmente é só uma rocha saliente que você pode sentar e ver o pôr-do-sol, mas como você pode “mirar” o sol de lá, é considerado um mirante (badumts). Na alta temporada deve ser bastante concorrido, mas quando eu fui era só eu e as gaivotas. Nessa hora eu percebi como todo o caminho valeu a pena, como nem foi tão difícil assim e me achei a mochileira das galáxias por ter chegado tão longe. Aí a amiga gaivota me lembrou que devia voltar antes que anoitecesse. A volta é realmente mais fácil, já que você lembra do caminho e sabe muito bem por onde voltar.
E é assim que seu passeio vai terminar. Vale a pena, né?
E é assim que seu passeio vai terminar. Vale a pena, né?
Resumão do passeio:
Dificuldade: dificuldade_fulldificuldade_fulldificuldade_fulldificuldade_fulldificuldade_empty
Preço: Gratuito!
Vale a pena? like_fulllike_fulllike_fulllike_fulllike_full

Fora o tênis, água e mochila, indico que leve uma lanterna, caso dê algo errado, celular com bateria e um casaco leve. Não vá se estiver chovendo ou ventando muito, de verdade, qualquer ventinho que tem perto da praia fica mais forte lá em cima, e sobre a chuva nem precisa comentar, né.

Agora que você já sabe como fazer esse passeio maravilindo, dê uma olhada nas outras dicas sobre a cidade aqui.

Posts dessa viagem
Viajando Sozinha na Costa Blanca – Paraíso em Calpe – Espanha
Subindo o Penyal D’Ifach na Costa Blanca – Paraíso em Calpe – Espanha

Nunca viaje sem seguro! Contrate seu seguro viagem com a Mondial.
Clique para ver desconto e condições.

Mondial
Mondial, líder global na prestação de serviços de Assistência no segmento viagem.

Veja também

Deixe uma resposta