Natal é uma cidade linda!

Que a cidade de Natal no Rio Grande do Norte é a queridinha dos sulistas eu já sabia, o que eu não sabia é que ela era tão bonita!

Adorei Natal, adorei o Rio Grande do Norte, adorei as praias, o mar verde, a água cristalina, a temperatura, a simpatia e a gentileza do povo. Adorei tudo, olhei tudo, observei tudo que podia observar. Eu parecia uma boba observando, as árvores, os coqueiros carregados de coco que estavam em todos os cantos, eram carregaaaados!! Tentei tirar foto, mas como estávamos em ônibus de turismo não consegui, quanto eu tentava….”passôô” como dizia nossa guia. A viagem para Natal foi “meio pacote”. Meio porque saímos daqui com a viagem aérea, o transfer e o City Tour contratado. Os demais passeios decidimos em Natal. Alguns do grupo fizeram todos, outros não. Pesquisei um pouco antes de ir para lá, só para não perder o hábito, porque não organizei nada, só fui….

Barra de Punaú

O turismo em Natal bomba! É uma montanha de ônibus, buggy e vans de turismo chegando nos hotéis, indo para baixo e para cima, carregando gente que está lá para Conhecer e Curtir, Natal se encaixou de forma perfeita no nome de nosso blog. A viagem foi curtinha, deixou o gosto de quero mais. Se eu puder quero voltar com mais tempo, para fazer as coisas mais devagar, para curtir mais cada lugar, cada praia, para conhecer algum museu, para passear na região onde os natalenses residem, para comer mais camarão e comprar montanhas de castanha de caju! Natal encanta!

Foi uma viagem de seis dias dos quais dois perdidos com deslocamentos. Nossas conexões foram horríveis (existem conexões melhores) perdemos todo o dia da ida em aeroportos e na volta a mesma coisa, com isso sobraram só quatro dias para a cidade sendo que um deles usamos num bate-volta para João Pessoa que foi uma surpresa mais agradável ainda.

Ponta Negra – ao fundo o Morro do Careca

Nosso hotel ficava em Ponta Negra que é a região mais badalada da cidade de Natal, onde tem uma quantidade enorme de hotéis, restaurantes e bares. Não era à beira-mar, havia a necessidade de se descer uma rampa para chegar até a praia, mas em compensação era pertíssimo do mais famoso restaurante de frutos do mar de Natal, o Camarões Potiguar. Restaurante lindo, comida deliciosa, pratos enormes! Todos os pratos servem duas pessoas, bem servidas, e alguns pratos servem até quatro pessoas. Preço? Ótimo se comparado com os preços de Curitiba, que já são bons se comparados com outras capitais. Nunca comi tanto camarão!

Num dos extremos da Praia de Ponta Negra fica o Morro do Careca, cartão postal de Natal. Hoje não é mais permitido subir no morro para preservá-lo pois ele estava perdendo altura.

A nossa viagem

Centro de Lançamento de Foguetes da Barreira do Inferno

No 1º dia fizemos um pequeno City Tour que achei meio fraco. Para mim, City Tour tem que ter paradas, o turista tem que descer para ver, para fotografar, para curtir. Em seguida, visitamos o Centro de Lançamento de Foguetes da Barreira do Inferno em Parnamirim e o famoso cajueiro Pirangi.

Barreira do Inferno foi o 1º centro de lançamentos espaciais da América do Sul, inaugurado em 1965, hoje dedica-se à pesquisa. Há uma pequena amostra fotográfica aberta para visitação pública. Não há custo.

O cajueiro Pirangi de Natal não fica em Natal, aliás os passeios em Natal são de fato na região de Natal. O cajueiro fica na praia de Pirangi, município de Parnamirim, cerca de 28 km ao sul de Natal, o acesso é pela rodovia RN-063. É o maior cajueiro do mundo. Ocupa uma área de aproximadamente 8.500m2. O crescimento da árvore é explicado por uma anomalia genética. Ao invés de seus galhos crescerem para cima, eles crescem para os lados e em função do próprio peso acabam tocando o solo onde criam raízes e nesse ponto novos brotos do mesmo cajueiro começam a nascer dando continuidade ao crescimento da árvore. Atualmente a árvore está crescendo pra fora do seu limite e invadindo a área da rodovia. Todo esse verde que vocês veem nas duas fotos abaixo é uma única árvore. 🙂

Natal, o cajueiro Pirangi.
Há uma passarela no espaço onde está o cajueiro Pirangi.

A regão tem uma boa infraestrutura turística. Uma estrutura turística não precisa ser cara, nem luxuosa, tem que ser inteligente, basta ter alguns ingredientes: cobrar ingresso acessível para acesso à atração, um guia local que dê as explicações, banheiros limpos e barraquinhas que vendam de tudo, é tudo que o turista quer e isso o Rio Grande do Norte faz muito bem. 🙂

Cajueiro Pirangi – tudo isso é uma única árvore

Clique para ver o cajueiro no Google Street View

A região onde se encontra o cajueiro é cercada e paga-se ingresso para entrar onde está a árvore. Logo na entrada há uma pequena feira de artesanato com barraquinhas que vendem os produtos típicos da região e fazem a alegria dos turistas. Há banheiros e uma degustação de suco de caju. Uma passarela percorre a região da árvore e não é permitido sair dessa passarela. Na época dos frutos, os turistas podem colher e levar para casa. Os frutos que não estão na área da passarela são colhidos por pessoas que trabalham na estrutura turística e são entregues aos visitante, grátis. Há um pequeno mirante donde dá para ver  a copa da árvore, é impressionante!

A árvore mais alta é um cajueiro normal, o restante é a copa do Cajueiro Pirangi.

Nesse dia nosso almoço foi na Pousada e Restaurante Porto Parus que fica na Praia Barra de Tabatinga, um pouquinho mais ao sul de Pirangi (do cajueiro). Barra de Tabatinga é formada por enseadas, protegidas por arrecifes. Os arrecifes formam piscinas naturais na beira da praia onde é super gostoso nadar. A pousada tem uma área de lazer com piscina, mesas e cadeiras para o almoço e aperitivo.

Na areia da praia são colocadas redes e almofadas para hóspedes e visitantes, tem também mesinhas com guarda-sóis na areia em frente ao mar. Parece um paraíso. Comemos um camarão grelhado com purê de jerimum e queijo coalho, acompanhado de arroz com castanha de caju, estava uma delícia! Traduzindo para o vocabulário sulista camarão grelhado com purê de abóbora 🙂

Após a curtida da praia e do almoço retornamos a Natal, para onde? Feira do Artesanato, é claro! Fomos conhecer o Shopping do Artesanato Potiguar. É uma estrutura com mais de 150 lojas de artesanato onde se vende os mais variados produtos do artesanato local. A estrutura conta com praça de alimentação, além de banheiros bem cuidados.

Nosso 2º dia foi em João Pessoa, capital da Paraíba, distante 190 km de Natal, pela BR-101. Você sabia que a BR-101 inicia no Rio Grande do Norte, ali pertinho do mar e vai terminar no Rio Grande do Sul? São 4.542 km de extensão. João Pessoa merece um post à parte, escrevi sobre ela  neste post.

Igreja de São Francisco em João Pessoa, Paraíba.

No 3º dia mais estrada… 85 km até a famosa praia de Pipa que fica ao sul de Natal. Pipa tem dunas, falésias e um charmoso vilarejo. Dizem que em Pipa você tem a oportunidade de um “inesquecível banho de mar em habitat natural de golfinhos e tartarugas marinhas”, mas Pipa ficou me devendo isso. Fomos a um trecho da praia que era cheio de barzinhos, cada um deles com suas mesas, cadeiras e guarda-sóis na areia. Como em qualquer viagem empacotada, o tempo é cronometrado, dá pra dizer que conheci, mas não curti a praia, mal chegava já tinha que sair…

Almoçamos no Restaurante Lampião na vilinha de Pipa (por quilo). O restaurante fornece ducha e local pra trocar de roupa. Comida boa e como em todos os lugares do Rio Grande do Norte, muito camarão e frutos do mar. Nesse restaurante conhecemos o Lula. Lula é um simpático garçom que está acostumado a brincarem com o seu nome. Já no final do almoço, quando vimos que o nome dele era Lula, logicamente entramos na brincadeira, chamei-o e me apresentei a ele, eu sou Dilma. 🙂 Nós dois posamos para uma foto, para divulgarmos as delícias do restaurante Lampião.

Após o almoço fomos conhecer as falésias de Pipa, lindo! A guia nos contou que cenas da novela e de abertura do Fantástico foram gravadas ali, mas como não sou fã de televisão essa informação não era muito relevante para mim, mas que a praia é linda é!

O melhor passeio que fizemos foi nas dunas de Genipabu. Em nosso último dia no Nordeste fomos até as dunas com o micro-ônibus e fizemos o passeio de buggy. Você pode escolher o passeio com emoção ou sem emoção, fica ao gosto do cliente. O passeio de uma hora custou R$ 50,00 por pessoa, fechando 4 pessoas num buggy, preços de maio/2015. Nas dunas também existe a opção de passear de dromedário e praticar esquibunda. Alguns companheiros de viagem  fizeram o passeio de dromedário, eu achei caro e meio sem graça, cinquenta reais para 15 minutos sentado numa cadeirinha montada em cima do lombo do animal? Não né!

Dunas de Genipabu (ou Jenipabu)

Bugueiro, em Natal, tem aos montes. Muitas empresas vão buscar os turistas nos hotéis já com o buggy e existem passeios que levam o dia todo de buggy. Tem o lado legal mas tem o lado desconfortável, o dia todo no buggy para quem senta atrás não é lá muito confortável e com o sol na cara o tempo todo! Acho que nem protetor solar fator 50 resiste!

Nesse mesmo dia das dunas de Genipabu fomos até Punaú, que fica a aproximadamente 65 km ao norte de Natal. Tem um restaurante à beira do rio Punaú, o local é bem bonito, paisagens paradisíacas… Há alguns buggys para quem quiser passear numa pequena duna da região, mas eu não trocaria o passeio de Genipabu pelo de Punaú. Genipabu é show demais.  O restaurante, quando fomos, estava meio atrapalhado no seu serviço, não sei se porque era muita gente naquele dia (plena quinta-feira!!), pedimos um prato que simplesmente não saiu… Veio quando já tínhamos que ir embora, tivemos que comer rapidamente, sem tempo de saborear a refeição, uma pena! Voltamos para a região de Natal e fomos conhecer o forte ou a fortaleza dos Reis Magos.

Fortaleza dos Reis Magos
Interior da Fortaleza dos Reis Magos, Natal -RN
Interior da Fortaleza dos Reis Magos, Natal -RN

O Forte dos Reis Magos ou Fortaleza dos Reis Magos, foi o marco inicial da cidade. Fica ao lado direito da barra do rio Potengi, bem próximo da ponte estaiada (Ponte Newton Navarro). A Fortaleza recebeu esse nome em função da data de início da sua construção, 6 de janeiro de 1598, Dia de Reis no calendário católico. Construída em formato de estrela, pelos colonizadores portugueses, foi invadida pelos holandeses em 1633. Anos depois, os portugueses retomaram a cidade e o forte.

Os canhões na Fortaleza dos Reis Magos, Natal-RN.
Os canhões na Fortaleza dos Reis Magos, Natal-RN.

O monumento preserva os canhões na parte superior do prédio, a capela e alojamentos. Algumas salas estavam em restauro. A Fortaleza é tombada pelo Patrimônio Histórico desde 1949. Em dezembro de 2013, a gestão do edifício foi transferida para o IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional).  Paga-se um pequeno valor para entrar e um guia acompanha o grupo contando a história do lugar.

Nós na foto :)

Restaurantes – Jantamos no Camarões Potiguar, nº1 nas avaliações do TripAdvisor e no Farofa d’Água. Os dois excelentes. O Farofa d’Água tem uma van que pega e depois trás os turistas de volta aos hotéis, é só pedir para o recepcionista do hotel chamar.

Carne de sol com queijo coalho no restaurante Farofa d´água. Natal
Carne de sol com queijo coalho no restaurante Farofa d´água. Natal

Forró – Não fui…….. que dó!

Nossa operadora local foi a Wheltour, empresa já com bastante tempo de atuação no mercado de turismo receptivo.

Natal – dicas e opiniões

  • Gostei e quero voltar.
  • Para quem vai em viagem desempacotada alugar um carro é fundamental, dá liberdade e agilidade.
  • Em pleno mês de maio, no meio da semana muitos turistas, mas muitos mesmo! O turista descobriu Natal e Natal sabe tratar bem o turista.
  • Os restaurante não são caros. Nos restaurantes top de linha o preço médio era de R$80,00 por prato (referência 2015). Os pratos servem duas pessoas, alguns pratos servem até quatro pessoas.
  • Tem hotéis para todos os gostos e para todos os bolsos. #Dica: procure no booking.com sempre há uma oferta interessante, é fácil de reservar e fácil de cancelar.
  • Quatro dias é pouco, fique mais.
  • Natal é quente mas agradável nessa época do ano. Todos os dias fazia de 24º a 28º, a variação térmica no dia é pequena. No final da tarde, em torno das 19h chovia, uma chuva rápida que não durava 10 minutos. A chuva vem e passa.
  • Quem for para Natal, a dica é colocar no roteiro um bate-volta para João Pessoa na Paraíba. É interessante que seja com operadora local para aproveitar o que João Pessoa tem de melhor, a sua história, a sua ligação com a história do Brasil.
  • O aeroporto internacional de Natal é novíssimo e moderno. Fica no município de São Gonçalo do Amarante a 40 km do centro de Natal. Tem um restaurante por quilo com preços normais, coisa raríssima nos aeroportos brasileiros.

Venha conhecer! O Rio Grande do Norte é lindo!  Mais fotos de Natal e praias do RN.

Booking.com

Eu aprendi que…..

  • Que quem nasce no Rio Grande do Norte é potiguar e que Potiguar em tupi quer dizer  Comedor de Camarão.   Poti = camarão  // War = comedor.
  • Que vários descendentes da tribo dos potiguares ao serem batizados como cristãos adotaram o sobrenome Camarão, sendo o mais famoso deles o combatente Filipe Camarão e sua esposa, Clara Camarão.
  • Que Filipe Camarão, Dom Antônio Filipe Camarão é índio brasileiro nascido em Aldeia Velha, Capitania do Rio Grande do Estado do Brasil, hoje Rio Grande do Norte, herói da luta pela expulsão dos invasores holandeses do Brasil. Veja resumo biográfico aqui.
  • Que a fixação do primeiro Marco de Posse colonial da terra brasileira por Portugal ocorreu em Touros. Atualmente, esse marco encontra-se em Natal na Fortaleza dos Reis Magos.
  • Que o Rio Grande do Norte é o maior produtor de sal do Brasil.
  • Que o Rio Grande do Norte é o maior produtor de camarão do Brasil e o 2º maior do mundo.
  • Que o melão fresco, a castanha de caju e o sal marinho são os produtos que lideram a pauta de exportação do RN.
  • Que o turismo está entre as principais atividades econômicas do estado.

Outros posts dessa viagem
Natal é uma cidade linda!
– João Pessoa deixa gostinho de quero mais
Centro Cultural São Francisco, história beleza e arte
Fotos do Centro Cultural São Francisco
Natal viajando em fotos

Marco de Posse Colonial – A pedra, em forma de coluna, tem 1,62 m de altura e 32,5 cm de largura.

Em uma de suas faces, possui a cruz da Ordem de Cristo e o escudo português esculpidos em relevo.

É considerado o monumento colonial mais antigo do Brasil e um dos primeiros registros portugueses no país, fazendo parte do Patrimônio Histórico Nacional.

 

 

Veja também

2 comentários sobre “Natal é uma cidade linda!

  1. Olá, Di, vim conhecer seu blog e ler seu post…
    Sua viagem parece ter sido um amor, mas realmente recomendo voltar sem a agência de viagens, já que a cidade é pequena e é tranquilo se locomover e aproveitar as atrações como se deve. Fiquei morrendoooo de pena de vocês terem passado tão pouco tempo em Pipa! Aquilo é um paraíso na terra, se você tiver tempo para desfrutá-lo. A praia do Madeiro, em especial, é o lugar mais gracioso que já vi, e não é porque moro no estado, rsrs!
    E se você quer conhecer golfinhos, não vá no SeaWorld, é só dar uma chegadinha na praia do Madeiro. Eles nadam muuuito próximos aos banhistas, brincam, dão pulos, fazem acrobacias e o melhor: são livres!
    Abração!

    1. Oi Julianny, valeu a dica dos golfinhos. Eu já havia lido nos blogs de viagem sobre os golfinhos, mas na nossa não deu pra ver. Na verdade, nós compramos aqui um pacote contendo translado, hospedagem, um City Tour e o bate volta pra João Pessoa. Aí, já em Natal, que resolvemos comprar os passeios adicionais. Pelo pouco tempo que tivemos valeu. Eu não conhecia o Nordeste, de coração achei Natal uma cidade linda, fiquei fã, mas o tempo foi muito curto. Da próxima vez penso em passar mais dias, aí vou pedir uma dicas pra vc lá no Tripadvisor. Abs 🙂

Deixe uma resposta