Barreado, comida típica do litoral do Paraná

Almoçar um barreado em Morretes

Morretes é uma pequena e charmosa cidade do litoral do Paraná, conhecida por seus inúmeros restaurantes que servem o famoso barreado, prato típico do litoral do estado.

Passear em Morretes é um ótimo programa de final de semana. Muito próxima de Curitiba, dá para fazer um bate-volta, ou para quem preferir, pode passar o final de semana na região. Partindo de Curitiba há três formas de ir para Morretes: descendo de trem e curtindo a descida da Serra pela histórica estrada de ferro, de carro/moto ou bicicleta pela estrada da Graciosa ou pela BR-277.

Morretes e o Rio Nhundiaquara
Morretes e o Rio Nhundiaquara. Foto: Di Xavier

Naquele sábado ensolarado que íamos para o litoral, decidimos fazer da descida da Serra um passeio diferente. Fomos pela Graciosa, curtindo e parando em cada recanto, admirando a deslumbrante paisagem até chegarmos em Morretes para almoçar.

As hortênsias na beira da Estrada da Graciosa, Paraná.
As hortênsias na beira da Estrada da Graciosa, Paraná. Foto: Maria Eugênia.

A cidade de Morretes fica na beira do Rio Nhundiaquara numa região cercada de montanhas, rios de pedra e cachoeiras. O turismo gastronômico é muito forte, sendo puxado pelo barreado e pelos pratos de frutos do mar.

Centro histórico de Morretes, Paraná.
Centro histórico de Morretes, Paraná. Foto: Di Xavier

Onde Comer
Chegando no centrinho da cidade são inúmeros os restaurantes à disposição. O carro chefe do cardápio de todos é o barreado. A faixa de preço não varia muito entre eles e os restaurantes situados na beira do Rio Nhundiaquara são bastante disputados pelos turistas.

Almoçamos no Empório do Largo, um dos restaurantes que ficam à beira do Nhundiaquara. Pedimos o barreado simples (sem frutos do mar) porque barreado é barreado né! O restaurante é muito legal, tem música ao vivo com artistas da região. No verão, o legal é almoçar na área externa do restaurante e de preferência nas mesas à beira do rio 🙂

Restaurante Empório do Largo, Morretes.
Restaurante Empório do Largo, Morretes. Foto: Di Xavier.

O Empório do Largo fica numa casa de 1733, uma das construções mais antigas de Morretes e que pertenceu a João Almeida, o fundador da cidade. A decoração é feita com objetos antigos. dando um clima todo especial para o ambiente.

Restaurante Empório do Largo em Morretes.
Restaurante Empório do Largo em Morretes. Foto: Di Xavier.

O Barreado
O barreado é um prato de origem açoriana. A origem no litoral do Paraná é atribuída aos portugueses que vieram para nosso litoral no século XVIII. Consiste numa carne cozida por longo tempo em panela de barro, com tampa também de barro para que o peso da tampa não permita que o caldo do cozimento seque. A tampa da panela é fechada com uma massa feita de farinha e água para preservar a humidade e o calor. Após o longo tempo de cocção, a carne fica desfiada e extremamente macia. Serve-se acompanhado farinha de mandioca, arroz, banana e laranja. Fonte: wikipédia

Barreado, comida típica do litoral do Paraná
Barreado, comida típica do litoral do Paraná.

Depois de almoçar, a pedida é se perder entre as lojinhas e barraquinhas de artesanato que ficam nessa região do centrinho da cidade. Ali você encontra de tudo, muito artesanato com pedras brasileiras, madeira, produtos trabalhados com fibra de banana, junco ou taboa. Compotas, cachaça e licores e tudo que se possa imaginar que pode ser produzido com bananas. Banana-passas, banana-chip, licor de banana, cachaça de banana e as famosas balas de banana.

O artesanato de Morretes.
O artesanato de Morretes. Foto: DI Xavier.

Quando for para Morretes, não deixe de experimentar a cachaça e o  licor de banana na feirinha de artesanato, experimente também a banana-chip, você vai gostar 🙂

O que fazer
– Experimentar a gastronomia da região;
– Passear pelo centro histórico, observando o casario, ponte de ferro e Igrejas;
– Banhar-se no Rio Nhundiaquara. Há uma pequena praia de rio onde as pessoas aproveitam para banhar-se nos dias quentes;
– Passear de barco no Rio Nhundiaquara;
– Visitar Antonina (fica a 15km de Morrretes), também uma cidade histórica do litoral do Paraná;
– Praticar boia-cross, para os corajosos…

Morretes e os turistas.
Morretes e os turistas. Foto: Di Xavier

Clima
A cidade é bem quente no verão. Por estar localizada entre montanhas, a sensação de calor aumenta. Nada que um bom sorvete não resolva. 🙂

Um pouco da história
Até o século XVI a região era habitada pelos índios carijós, a partir de 1646 com a descoberta de jazidas de ouro na região, vieram para cá mineradores e aventureiros oriundos de vilas e povoações do estado de São Paulo. Em 1721 o Ouvidor Rafael Pires Pardinho determinou que a Câmara Municipal de Paranaguá medisse e demarcasse 300 braças em quadra para a instalação do povoado de Morretes. De lá para cá, o povoado e depois município teve fases de grande desenvolvimento e outras de declínio vertiginoso, pela concorrência e facilidade de acesso à outras cidades da região.

Morretes, casario e a Igreja Matriz.
Morretes, casario e a Igreja Matriz. Foto: Maria Eugênia

O primeiro nome que a vila recebeu, após a demarcação, foi de Nossa Senhora do Porto e Menino Deus dos Três Morretes. Em 1841, foi elevada a categoria de município, sendo desmembrada de Antonina. Em 1869 passou a ser chamada de Nhundiaquara e em 7 de abril de 1870 passou a ser chamada de Morretes.

O nome Morretes originou-se do fato de estar a Cidade cercada por morros de pequena elevação e que eram denominados de Morretes.

Rio Nhundiaquara em Morretes.
Rio Nhundiaquara em Morretes. Foto: Maria Eugênia

Nhundiaquara” nome indígena: (NHUNDIA: peixe, jundiá e QUARA: empoçado, buraco)

Como chegar
Pela BR-277 – Saindo de Curitiba, sentido litoral, após a descida da Serra do Mar, pega a estrada PR-408 na saída 29 que vai chegar lá. Se colocar Morretes no GPS, ele automaticamente manda por essa estrada (o meu faz assim 🙂 ) A distância é de aproximadamente 70 km de Curitiba e o tempo de viagem dura em torno de 1 hora.

Pela Estrada da Graciosa – A descida pela estrada da Graciosa é linda e a própria estrada é o passeio. Quem quiser descer pela Graciosa, deve pegar a BR-116 sentido São Paulo até chegar no Portal da Graciosa. Dou as dicas de como chegar e como se achar com o GPS no post que escrevi sobre nosso passeio na Graciosa.

Portal da Estrada da Graciosa -Paraná.

Descendo de trem –  São 110 quilômetros viajando pela maior área preservada de Mata Atlântica e por uma ferrovia histórica, com 130 anos. A operadora do trecho é a Serra Verde Express. O trem sai da rodoferroviária de Curitiba. Veja horários, tarifas e pacotes no site da Serra Verde.

Estrada de ferro Curitiba, Morretes, Paranaguá.
Estrada de ferro Curitiba, Morretes, Paranaguá. Créditos: Serra Verde Express

E para voltar? É mais fácil subir pela BR-277 do que pela Estrada da Graciosa #FicaDica

Onde ficar
Para quem quiser passar o final de semana na região, existem pousadas bem avaliadas no booking.com. Analise as pousadas de Porto de Cima e da Estrada do Anhaia, além das que ficam dentro da cidade. Para quem está de carro, é tudo muito perto. Nós não ficamos hospedados lá porque estávamos seguindo para as praias do Paraná, assim, não tenho uma experiência pessoal para contar para vocês, mas vejam no booking.

No booking existem duas cidades com o nome de Morretes, uma no Paraná e outra no RS. Observe isso ao pesquisar ou clique aqui que o link envia para a cidade de Morretes do Paraná.

Posts desse passeio
O passeio na Graciosa
Barreado em Morretes
* foto de capa: Di Xavier

Referências
Prefeitura de Morretes
Wikipédia

Veja também

20 comentários sobre “Almoçar um barreado em Morretes

  1. Olá! Gostei bastante do seu post. Estarei indo a Morretes em outubro e gostaria de saber o valor médio do barreado para duas pessoas.
    Desde já, agradeço.

    1. Oi Marina, esqueci de tirar foto do cardápio. No restaurante que eu fui o preço é por pessoa. Eles tem a opção de barreado tradicional e barreado com frutos do mar. O cardápio e os preços não variam muito entre os diversos restaurantes de lá, os da beira do Rio Nhundiaquara talvez cobrem um pouco mais, mas não posso te afirmar. Fui em janeiro desse ano (2017) e paguei R$198,00 para quatro pessoas, aí incluído o barreado tradicional para quatro pessoas e duas jarras de suco de abacaxi. Creio que o barreado tradicional deve estar custando entre R$40,00 a R$50,00 por pessoa.
      Para mim, a opção de barreado com frutos do mar não vale a pena, vem muita coisa e não se saboreia direito nenhuma delas, além de custar mais caro. Prefiro num dia comer só o barreado e se eu quiser num outro dia vou num restaurante só de frutos do mar. 🙂

  2. Morretes é linda e o barreado maravilhoso. Gostei muito do seu post! Estivemos em Morretes em fevereiro e almoçamos exatamente no mesmo restaurante que você. Ao ler seu texto, deu vontade de ir pra Morretes novamente só pra saborear novamente o barreado. Amei!

  3. Wou! Esta dica gastronômica é bem diferente… já tinha ouvido falar sobre barreado, mas nunca soube o que era exatamente! Achei muito interessante a forma de preparo.. deve ser uma delícia!
    Abç!

    1. Ela é uma ferrovia histórica. A construção foi idealizada pelos irmãos Rebouças, os engenheiros Rebouças, e começou em 1880, com a presença do imperador D. Pedro II. Embora vários engenheiros europeus (da época), tenham declarado que o projeto era impraticável, os dois engenheiros brasileiros, os engenheiros Rebouças, fizeram a obra acontecer. A região da Serra do Mar é de difícil acesso, imagine isso em 1880 😉

    1. Oi Adriana, Morretes é uma gracinha mesmo. É uma das cidades históricas do litoral do Paraná. Atualmente ela tem investido bastante na preservação do centro histórico e o turismo está muito forte na região. Se vier para o Sul, dê uma esticada até Morretes e experimente nosso barreado. 🙂
      Abs.

  4. Só comi barreado uma vez na vida e foi em Foz do Iguaçu! Tentei uma vez ir para Morretes, mas o trem quebrou e passamos o dia nele, tentando voltar para Curitiba. Quem sabe a gente tente novamente 😛

    1. Ai que dó Eloah, passar o dia no trem ninguém merece! 🙁
      Mas vc tá convidada para uma próxima viagem, sem quebras de trem… hahaha

  5. Que saudades de Morretes e da Serra da Graciosa. Fiz o segundo grau e faculdade em Curitiba e desci o caminho itupava e a serra graciosa de bicicleta algumas vezes. Uma pena que no caso da primeira trilha até onde eu saiba anda bastante perigoso. As hortênsias na serra são lindas!!!
    Obrigado por compartilhar com a gente!!

    1. Oi Oscar, legal descer de bicicleta, eu não consigo nem ir até a esquina de bike hahaha. Não sei como está a situação da 1ª trilha, fomos de carro e pegamos a entrada pela BR-116, Morretes está linda!

    1. Oi Guilherme, quando descer novamente para o sul e passar por Curitiba, está convidado a conhecer. Vc faz assim: desce pela estrada da Graciosa, faz um pernoite em uma das muitas pousadas de Morretes, naquelas mais de pé de serra, curte a Mata Atlântica, experimenta o barreado e no dia seguinte segue viagem para a praia que vc escolheu. Se for praia de SC é só atravessar o ferry que pega a BR-376 e segue viagem 🙂

Deixe uma resposta